Little Shelf

16/06/2015

04:45 AM - 14.08.2012 / Terça-Feira.

Dois anos atrás eu jurava que iria ser sempre a Jes de quem falavam. Não exatamente eu, mas "a" Jes. De quem todo mundo parecia gostar. Eu achava que sempre iria ser a guria "pequena" demais para a minha idade, com os cabelos comportados demais para não acharem que eu tinha uma juba e com os dedinhos das mãos finos demais para serem normais e ter que guardar tudo isso pra mim. Porque é isso o que eu sempre fui em segredo. Ou melhor, isso é que ninguém fez questão de descobrir. Pra todo o resto do mundo eu nunca passei de uma guria mimada e meiga ao mesmo tempo. Que tem tudo que quer. Eu achava que, sei lá, ia ser sempre só eu e eu. Sem ninguém pra chegar do lado e dizer como tudo poderia provavelmente estar dando errado se não fosse ele. Eu achava que nunca ia ter alguém pra me descobrir. Porque, venhamos e convenhamos, não é a tarefa mais difícil do mundo. Só requer vontade (muita, confesso!). Mas é que todo mundo sempre esteve tão satisfeito com esse meio artificial que me julgam ser, que, meu Deus, nem mainha se interessava tanto em me descobrir. Não sei o que os levavam tanto a gostar de quem comentavam que eu fosse. Tá, quem eu sou de verdade não é lá essas coisas extraordinárias também. É. Mas é mais solto e livre, tem menos medo da vida e não precisa dessa capona gigantesca de futilidade pra se proteger de suas fraquezas. Quem eu sou chora que nem criança quando se sente mais uma das inúmeras vezes sozinha. Quem eu sou dá aquelas gargalhadas estranhas, mas gostosas de ouvir. E canta no banho quando não tem ninguém em casa. E corre pelo parque, cai e se suja de areia. É uma verdadeira louca desvairada que não corre da vida, mas que todos correm dela. Quem eu sou poderia ser a pessoa mais legal do mundo. Mas aí, puf! Conheci alguém que era solto, e engraçado, e tinha um jeito estranhamente lindo de ser, falava e sorria de um jeito que parecia perfeito pra mim. E ele foi me soltando, me descobrindo sem querer. Foi se aproximando tanto e tanto, que quando dei por mim já cantávamos juntos. Já eramos um só. E aí, finalmente, quando dei por mim eu já era a melhor pessoa do mundo, só por te conhecer.

Autora: Jessika Lima.

Comente com o Facebook:

8 comentários:

  1. É incrível como todo mundo gosta de falar que somos isso ou aquilo sem ao menos nos conhecer direiro, até mesmo as pessoas que convivem conosco 24h, mas as vezes acho que temos uma pequena parcela de culpa nisso, nem sempre mostramos o nosso verdadeiro eu porque talvez de fizermos isso estaremos desprotegidos. A gente muda tanto que nem percebe neh, gosto do meu EU hoje e espero que cada vez mais ele mude para melhor e que ele seja a EU verdadeira.

    www.garotadosuburbio.com

    ResponderExcluir
  2. Que texto maravilhoso Jes <3 saudades de você chuchu
    www.girlsmachine.com

    ResponderExcluir
  3. O começo desse texto descreveu como foi boa parte da minha vida, e o final descreveu o que eu senti quando conheci meu namorado. Socorro, que texto! <3

    literarizei.blogspot.com

    ResponderExcluir